Quando se trata de em prevenção de doenças, mudanças de hábitos de vida, com inclusão de alimentação nutritiva, prática de atividade física e controle de estresse, por exemplo, devem ser sempre consideradas. E são mesmo a primeira coisa que vem à mente da maioria de nós. Pena que promover mudanças quase nunca é simples, ao contrário, pode exigir muito mais força de vontade e determinação do que a gente imagina. A boa notícia é que a tecnologia pode dar uma ajuda e tanto para quem tem esse objetivo.

Tecnologia em saúde já é uma realidade

Nos Estados Unidos, a agência reguladora de medicamentos (FDA) regulamenta aplicativos usados para o diagnóstico, cura, mitigação, tratamento e prevenção de doenças ou que afetem a estrutura ou qualquer função do corpo. São aqueles que transformam o celular em um dispositivo médico, fazendo com que o aparelho funcione como um medidor de pressão arterial, insulina, estetoscópio ou um leitor de glicose no sangue.
No Brasil, ainda não há uma regulamentação específica para aplicativos de saúde, mas aqueles que fazem agendamento para levar médicos até a sua casa, por exemplo, atuam seguindo regras do Conselho Federal de Medicina (CFM).
81% dos médicos entrevistados para uma pesquisa da Top Health Industry Issues of 2016, da Network Global PwC, disseram que o acesso a informações médicas por meio de dispositivos móveis ajuda no tratamento dos pacientes. O mesmo pode-se dizer dos aplicativos relacionados a bem-estar e cuidados de saúde, o que só fortalece a tendência de cada vez mais lançamentos nessa área.

Veja mais:

Setor de saúde a caminho da liderança internacional em investimentos e desenvolvimento em 2020
Telemedicina: uma realidade (necessária)

Como usar a tecnologia em saúde a seu favor

O seu (provavelmente) inseparável celular vai fazer a mágica da prevenção e do cuidado acontecer. Os smartwatches também chegam para melhorar o cenário. Tudo sustentado pelos cada vez mais diversificados aplicativos.
Mas, afinal, como usar a tecnologia em saúde pode ajudar a afastar doenças? O raciocínio é o seguinte: quanto mais informações você tem sobre o funcionamento do seu corpo, mais fácil fica identificar alterações e buscar ajuda, se necessário. Controlando o peso, por exemplo, você reduz o risco de ter doenças cardiovasculares e diabetes. Buscando treinos para fazer em casa, consegue se manter ativo e beneficiar a saúde como um todo. E assim por diante, até chegar em aplicativos mais específicos, como aqueles que controlam a glicemia.
As opções dentro das lojas para IOS e Android crescem a cada dia e, certamente, têm algo que atenda às suas necessidades. Vamos conhecer o funcionamento dos aplicativos mais comuns?

Veja mais:

Uma vida saudável é reflexo de uma vida em movimento
Como reduzir fatores de risco em saúde

Treino em qualquer lugar

No universo fitness, os aplicativos dão dicas de treinos para os mais variados objetivos. Quer começar a correr ou melhorar a performance no esporte? Tem aplicativo. Já está indo na academia e quer saber exercícios específicos para ganho de massa, definição ou emagrecimento? Tem aplicativo. Adora ioga e não tem ideia de como dar os primeiros passos na modalidade? Os aplicativos ajudam. Nesse aspecto, no entanto, vale um lembrete importante: antes de iniciar qualquer atividade física, faça uma avaliação médica para não colocar a saúde em risco.

Veja mais:

5 dicas para tornar o seu treino mais eficiente
Como incluir a atividade física na sua rotina

Alimentação sob controle

A área de nutrição também é bastante beneficiada pelos aplicativos. A maioria deles funciona com input de dados, ou seja, você tem participação ativa na brincadeira, informando sua rotina alimentar. Com base nisso, consegue acompanhar quantidade de calorias e nutrientes específicos que foram consumidos em cada refeição. Também existem aplicativos que avaliam produtos industrializados, dando um “raio-x” da tabela nutricional e, assim, ajudando você a fazer compras mais saudáveis.

Veja mais:

17 fatos comuns que atrapalham a perda de peso
Aprenda maneiras simples de perder a barriga, com base na ciência

Sono de qualidade

Ter uma boa noite de sono é essencial para manter todas as funções do organismo funcionando direitinho, especialmente no que diz respeito ao equilíbrio hormonal. Aplicativos voltados para a qualidade do sono, em geral, funcionam avaliando os movimentos que você faz ao dormir. Baseado nisso, calculam as horas de sono profundo, em quais momentos despertou e se está cumprindo todos os estágios de uma noite bem-dormida, por exemplo. Alguns aplicativos oferecem até aqueles sons relaxantes para ajudar no seu descanso.

Veja mais:

O sono e a saúde
Perdeu o sono? Anote 5 dicas para dormir como um anjo

Bate, coração!

A maioria dos smartwatches tem o monitoramento cardíaco como função nativa, ou seja, registram os batimentos do seu coração sem a necessidade de você baixar um aplicativo específico. O que não acontece se você quiser usar o seu celular com essa finalidade. Nesse caso, os aplicativos normalmente recorrem à câmera fotográfica para detectar seu batimento cardíaco pela ponta do dedo. Ter um registro de como seu coração está funcionando pode ser interessante para reconhecer anomalias e buscar ajuda com antecedência. Também vale para entender o ritmo cardiovascular durante a prática de atividade física, buscando melhor performance.

Veja mais:

Guia definitivo de saúde do coração
O que fazer em caso de suspeita de infarto?

De olho no ciclo menstrual

A tecnologia em saúde chegou à famosa “tabelinha”, ajudando as mulheres a entenderem o ciclo menstrual e, assim, conhecerem melhor o próprio corpo. Além das informações básicas como data da próxima menstruação e apontamento de período fértil, alguns aplicativos ainda alertam para o risco de Tensão Pré-Menstual, atrasos e até aumento de temperatura corporal durante a ovulação (o que ajuda que está querendo engravidar).

Quer ver dicas de saúde? Veja mais no blog da Care Plus e assine o canal da Care Plus no Youtube.